Certamente muitos estudantes de graduação devem fazer a pergunta “Por que estudar a disciplina de metodologia científica?”. É através do estudo de metodologia científica que estudantes podem ter contato com elementos que serão fundamentais para sua vida acadêmica, como compreender textos científicos e desenvolver a escrita de artigos, resenhas, fichamentos, monografias, projetos de pesquisa, entre outros, obedecendo às regras estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Contribuindo para o desenvolvimento e estruturação de trabalhos, em questões como padrões de redação, procedimentos para se fazer pesquisas bibliográficas, seleção e organização na leitura das obras e construção citações diretas e indiretas, elementos de vital importância na elaboração de Trabalhos de Conclusão de Curso, por exemplo.

Essa disciplina também colabora no processo de iniciação científica dos graduandos, que constitui um forte incentivo à formação de novos e bons pesquisadores e de uma nova mentalidade aos estudantes. Mas a principal função do estudo de metodologia cientifica é ensinar a pensar de maneira crítica, ler, interpretar e produzir conhecimento de modo claro, estruturado e convincente, facilitando o processo científico para si próprio, mas que também facilite a compreensão dos resultados obtidos e, posteriormente, divulgados de um projeto, a todos os interessados em seu objeto de pesquisa e, com isso, possa levar de alguma forma um retorno à sociedade.

O Bacharelado em Ciências Tecnologia oferece a disciplina Metodologia Científica e Tecnológica, com carga horária de 30 horas.

 

O método científico

Embora as pessoas nem sempre se deem conta, A ciência faz parte do cotidiano dos seres humanos, desde as pequenas coisas até as que podem causar grande impacto em nossas vidas.

Mas diferentemente do conhecimento do senso comum,  que é apenas intuitivo e passado de pessoa a pessoa sem uma real verificação, o conhecimento científico começa como senso comum, mas segue uma série de passos, uma metodologia com a função de comprovar hipóteses e formular um saber comprovado, pelo menos, até que se prove o contrário.

O método científico é um conjunto de regras básicas lógicas e disciplinadas que tem como função desenvolver uma experiência que capaz de produzir um novo conhecimento, corrigir e integrar conhecimentos já existentes, adquirir evidencias observáveis, baseadas na experiência e mensuráveis com base em observação sistemática e controlada, resultantes de experiências ou pesquisas de campo.

O método foi o resultado da evolução do pensamento humano na busca por respostas a questões cotidianas e da obra de inúmeros pensadores durante os séculos, que culminaram no “Discurso do Método” de René Descartes, em que o filósofo e cientista apresenta importantes conceitos que continuam válidos até hoje.

O conceito proposto por Descartes, que ficou conhecido como “Determinismo Mecanicista”, “Reducionismo”, ou “Modelo Cartesiano”, baseia-se principalmente na concepção de que tudo e todos podem ser divididos em partes cada vez menores que podem ser analisadas e estudadas separadamente e, que para compreender o todo, basta compreender as partes.

O método científico consiste dos seguintes elementos:

Observação: Uma observação pode ser feita de forma simples, ou seja, é realizada a olho nu, ou pode utilizar-se de instrumentos apropriados. Todavia, deve ser controlada com o objetivo de que seus resultados correspondam à verdade e não a ilusões advindas das deficiências inerentes próprias dos sentidos humanos em obter a realidade.

Descrição: O experimento necessita ser replicável para que as hipóteses precisam ser verificáveis.

Previsão: As hipóteses precisam ser tidas e declaradas como válidas para observações realizadas no passado, no presente e no futuro.

Controle: Para maior segurança nas conclusões, toda experiência deve ser controlada. Experiência controlada é aquela que é realizada com técnicas que permitem descartar as variáveis passíveis de mascarar o resultado.

Falseabilidade: toda hipótese deve conter a testabilidade, e refutabilidade, ou seja deve contestada e verificada.

Explicação das Causas: que se divide em Identificação das causas (todo fenômeno tem uma causa por trás de sua ocorrência), Correlação dos eventos (As causas precisam ser condizentes com as observações, e as correlações entre observações e evidências devem realmente implicar relação de causa efeito) e Ordem dos eventos (As causas devem preceder no tempo os efeitos observados).

ComC&T

Assessoria de Comunicação e Produtora de Conteúdo da Escola de Ciências e Tecnologia.