Nos dias 7 e 8 de novembro, ocorreu a final nacional da Maratona de Programação 2014, em Fortaleza. A UFRN foi representada pela equipe POLO, formada pelos alunos Rodrigo Randel, Thiago Pereira e Daniel Pinheiro, todos do curso de Engenharia de Computação, e pela equipe AbsurdoLimitExceeded, formada pelos alunos Zailton Calheiros (Bacharelado em Ciência da Computação), Lucas Pinheiro (Mestrado em Sistemas e Computação) e Charles Barbosa (Bacharelado em Ciências e Tecnologia).

Na final, o time AbsurdoLimitExceeded resolveu 6 problemas e ficou na 15ª colocação, enquanto que o time POLO resolveu 2 problemas e ficou no 40ª colocação.
As equipes foram treinadas pelos professores Carlos Prolo, do Departamento de Informática e Matemática Aplicada (DIMAp), Daniel Aloise, do Departamento de Engenharia de Computação e Automação (DCA) e Sérgio Medeiros da Escola de Ciências e Tecnologia.A final contou com a participação de 60 times entre os 643 times que participaram da primeira fase.

A preparação das equipes também contou com a colaboração dos professores David Déharbe (DIMAp), Samyr Jácome (IMD), Charles Madeira (IMD) e André Brito (IMD).

Os alunos que têm interesse em participar da Maratona no próximo ano podem entrar em contato com um dos professores para saberem mais informações sobre a competição.

Maratona de programação

A Maratona de Programação é um evento da Sociedade Brasileira de Computação que existe desde o ano de 1996. Desde o ano de 2006 o evento vem sendo realizado em parceria com a Fundação Carlos Chagas. A Maratona nasceu das competições regionais classificatórias para as finais mundiais do concurso de programação, o ACM International Collegiate Programming Contest, e é parte da regional sulamericana do concurso. Neste ano ocorre a 19ª edição da Maratona.
Ela se destina a alunos de cursos de graduação e início de pós-graduação na área de Computação e afins (Ciência da Computação, Engenharia de Computação, Sistemas de Informação, Matemática, etc). A competição promove nos alunos a criatividade, a capacidade de trabalho em equipe, a busca de novas soluções de software e a habilidade de resolver problemas sob pressão. De ano para ano temos observado que as instituições e principalmente as grandes empresas da área têm valorizado os alunos que participam da Maratona.

Várias universidades do Brasil desenvolvem concursos locais para escolher os melhores times para participar da Maratona de Programação. Estes times competem na Maratona (e portanto na regional sulamericana) de onde os melhores serão selecionados para participar das Finais Mundiais do evento. No ano de 2013, quase 30 mil estudantes de cerca de 2300 escolas de mais de 90 países competiram em regionais em todo o planeta, e apenas pouco mais de 100 (cerca de 0.3%) participam das Finais Mundiais do evento, em Ecaterimburgo, Rússia . Seis times brasileiros estarão presentes nas finais mundiais.

Os times são compostos por três alunos, que tentarão resolver durante 5 horas o maior número possível dos 8 ou mais problemas que são entregues no início da competição. Estes alunos têm à sua disposição apenas um computador e material impresso (livros, listagens, manuais) para vencer a batalha contra o relógio e os problemas propostos.

Os competidores do time devem colaborar para descobrir os problemas mais fáceis, projetar os testes, e construir as soluções que sejam aprovadas pelos juízes da competição. Alguns problemas requerem apenas compreensão, outros conhecimento de técnicas mais sofisticadas, e alguns podem ser realmente muito difíceis de serem resolvidos.

O julgamento é estrito. No início da competição os competidores recebem os problemas que devem ser resolvidos. Nos enunciados dos problemas constam exemplos dos dados dos problemas, mas eles não têm acesso às instâncias testadas pelos juízes. A cada submissão incorreta de um problema (ou seja, que deu resposta incorreta a uma das instâncias dos juízes) é atribuída uma penalidade de tempo. O time que conseguir resolver o maior número de problemas (no menor tempo acumulado com as penalidades, caso haja empate) é declarado o vencedor.

 Foto com os participantes da competição:

 

 ComC&T
Assessoria de comunicação e produtora de conteúdo da Escola de Ciências e Tecnologia