Passar 48 horas quase ininterruptas trabalhando no desenvolvimento de jogos, essa é a ideia do Global Game Jam, maior evento internacional de programação e desenvolvimento de jogos, que este ano foi realizado simultaneamente em 518 sedes distribuídas em 78 países, nos dias 23, 24 e 25 de janeiro.

Em Natal, a Escola de Ciências e Tecnologia (ECT) – UFRN recebeu, pela segunda vez, o evento que teve o apoio da Incubadora de Processos Acadêmicos, Científicos e Tecnológicos Aplicados da Escola de Ciências e Tecnologia (Inpacta), contando com a coordenação de Efrain Matamoros, professor da ECT, e organização do analista de sistemas e programador Narto Junior, de Marcelo Melo, estudante de Filosofia da UFRN, além do designer de jogos Tiago Sousa e do programador Esdras Silva.

O tema dessa edição da GGJ foi “O que fazemos agora?” e baseados nesse tema, os grupos inscritos tiveram que criar seus jogos entre o período da 17h da sexta-feira e às 17h do domingo. Ao todo 10 jogos foram publicados no site da Global Game Jam Natal.

Narto Junior, um dos organizadores, fez uma análise do evento, “A Global Game Jam atendeu as expectativas porque todas as pessoas que vieram para fazer seus jogos conseguiram cumprir e participaram do evento. O número de participantes cresceu em 15 pessoas em comparação ao ano passado e isso, foi ótimo, apesar dos altos números de inscrição e não comparecimento, mas é normal ter esses desníveis”.

Marcelo Melo também falou sobre o sucesso da GGJ e perspectivas para novas iniciativas do gênero no estado “Aqueles que não conheciam essa prática podem ter certeza que tiveram uma boa noção do que é criar um jogo, respeitando as limitações do evento. É uma oportunidade única de trabalharem em condições quase iguais com a as pessoas que fazem isso lá fora, e isso, naturalmente, é muito positivo. Uma parte do sucesso do evento se dá ao fato de que ele é um evento 'fácil' de organizar, ele é muito plástico, então, pode ser utilizado em diversas situações. Tudo indica que a Global Game Jam começou uma tradição que continuará aqui por muito tempo, não apenas com o próprio evento”.

Sobre a diversidade de jogos, Narto comentou: “Tivemos jogos digitais e analógicos, isso foi bem bacana porque foi bem mais diversificado. No ano passado, só tivemos jogos digitais, isso é bom, mostra que o nosso estado tem o poder de diversificar na criação de jogos, não fica preso à questão dos jogos digitais”. O programador ainda incentivou os participantes a darem continuidade em seus jogos, que podem ser melhorados e possivelmente comercializados.

O professor Efrain falou sobre o apoio dado pela Incubadora da ECT ao evento, “A Inpacta faz parte desse evento porque tem essa mesma característica. O objetivo é criar ideias e criar desenvolvedores e, desde o inicio, alguém que consiga levar para frente algum projeto e sua própria empresa”, o coordenador ainda parabenizou a organização e os participantes e destacou que a Incubadora está a disposição, oferecendo o apoio aos interessados em desenvolver seus jogos e empreender no mercado dos games. Ele concluiu falando sobre a continuidade  da parceria entre a impacta e os organizadores da GGJ Natal, “É uma ideia que eles trouxeram para a Escola desde o ano passado com o professor Rumenigge(Dantas). Marcelo que trouxe para o Rio Grande do Norte e a equipe de Narto, Caleb e Tiago. É um evento que dá para continuar. A Escola de Ciências e Tecnologia, junto com a Inpacta e o pessoal da Global, estamos propondo criar um evento intermediário que seja regional e estamos tentando preparar juntos”.

Dos Jogos produzidos na Global Game Jam Natal 2015 alguns foram analógicos: O tesouro dos Goblins e What do can we do now? The Board Game , e outros digitais: Cleomaris Pereira Adventure, Deep Waters, Develops Arena, Inception, What do shoot now? , e Go on.

Os jogos estão disponíveis no endereço http://globalgamejam.org/2015/jam-sites/ggj-natal-brought-bitbyte-inpacta-ufrn/games.

A Global Game Jam é um evento que consiste em uma maratona de programação de 48 horas, criado por Susan Gold em colaboração com Ian Schreiber e Gorm Lai. Sua primeira edição foi realizada em 2009 e, desde então, o número de sedes e participantes tem crescido a cada ano.

 

  ComC&T

Assessoria de comunicação e produtora de conteúdo da Escola de Ciências e Tecnologia