Phrònesis é uma palavra de origem grega que significa prudência ou senso comum.  No livro Ética à Nicomano, o filósofo grego Aristóteles utiliza a palavra com o significado de sabedoria prática, uma das virtudes intelectuais que o homem deve possuir para diferenciar e escolher o que é bom ou é mal para si.

Nesse sentido, existe na Escola de Ciências e Tecnologia(ECT-UFRN), uma iniciativa que leva a palavra grega como nome e tem objetivos que dialogam com o conceito do filósofo. O Grupo Phrònesis de Estudos em Filosofia, Ciência, Tecnologia e Sociedade, que tem o foco em temas que se tornam mais importantes à medida que a ciência e a tecnologia, e o impacto provocado pelo envolvimento das mesmas com a sociedade, estão cada vez mais presentes em nossas vidas.

“O grupo tem um papel super importante de dialogar a ciência e a tecnologia com a sociedade, a  gente sabe que a ciência e a tecnologia não são instituições dissociadas da sociedade, então os estudos de CTS tem papel importante nesse diálogo interdisciplinar e vincular o desenvolvimento técnico com o desenvolvimento humano”.  Argumentou a professora Angela Miranda.

O grupo de pesquisa surgiu em 2013 como fruto das discussões das disciplinas Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) e Ética na Ciência e Tecnologia e pelo interesse de estudantes e professores em se aprofundar no tema.  

A equipe trabalha dentro de cinco linhas de pesquisa e é composta por professores da UFRN, entre eles, os professores de CTS, Angela Miranda, coordenadora do grupo, Carla Cabral, Thiago Lucena e José César. Também participam, professores de outras instituições de ensino do Brasil e de universidades da Espanha, Chile e Argentina, além de estudantes interessados no tema.

A estudante Brena Aires, bolsista do projeto, explicou como é o trabalho dos pesquisadores. “O trabalho consiste em defender as linhas de pesquisa com estudos aprofundados sobre temas relacionados a essas áreas. Cada um escolheu sua linha e vem trabalhando, no decorrer desse ano e meio, nesses estudos".

 A coordenadora do projeto explicou o estágio em que o grupo se encontra atualmente. "Agora o grupo está na fase de ‘desovar’ a produção dos últimos dois anos, fazer as primeiras publicações daquilo que já é produto da sua pesquisa cientifica. São sete trabalhos que vão ser publicados em eventos nacionais e internacionais. Além disso, esses trabalhos estão sendo revertidos em artigos científicos para serem publicados em revistas especializadas e em publicações acadêmicas”.

O Phrònesis já organizou vários eventos, com destaque para os Colóquios de CTS, três já foram realizados; e o Cine e Conferências, sessões de filmes seguidas por debates na área de pesquisa do grupo, além de mesas redondas tratando de temas de relevância social.

A sociedade deve saber circular nas discussões sobre C&T, essa participação é de suma importância para a formação humanística, não só dentro dos bacharelados interdisciplinares, mas também das engenharias. Se nós temos muitos dos problemas que encontramos hoje, de cunho social e político, é porque a discussão passou, por muito tempo, só no ramo dos especialistas e pouco se discutia sobre as questões humanas na área”. Destacou Brena.

Já o professor assistente de CTS, José César, defende um maior incentivo aos grupos de pesquisa na ECT. “É importante que seja fortalecida essa cultura dos grupos de pesquisa na Escola de Ciências e Tecnologia. É nesse processo que a gente acaba enriquecendo mais, deixando mais aprimorada a discussão de uma postura mais ética dos bacharéis em C&T”.

Mais informações sobre o grupo pode ser obtido no site do projeto gefilcts.wix.com/phronesis ou entrando em contato através do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Os estudos na área de CTS tiveram inicio entre os anos 60 e 70, correspondendo ao estudo das inter-relações entre a ciência, a tecnologia e a sociedade, constituindo um campo de trabalho que se volta para a investigação acadêmica e para as políticas públicas. Baseia se em novas correntes de investigação em filosofia e sociologia da ciência, podendo aparecer como forma de reivindicação da população para participação mais democrática nas decisões que envolvem o contexto científico-tecnológico ao qual pertence. Buscando entender os aspectos sociais do desenvolvimento técnico-científico, tanto nos benefícios que esse desenvolvimento possa estar trazendo, como também às consequências sociais e ambientais que poderá causar.

 

 

Ouça o áudio da entrevista:

 

 

 

 

ComC&T

 

Assessoria de Comunicação e Produtora de Conteúdo da Escola de Ciências e Tecnologia.