Dados biométricos nas universidades: 5 formas de usar dados biométricos para melhorar a qualidade do ensino

Escrito por: sysadmin | Publicado em: 27 de novembro de 2019

Dados biométricos nas universidades: 5 formas de usar dados biométricos para melhorar a qualidade do ensino

A tecnologia percorreu um longo caminho desde que foi introduzida pela primeira vez no mundo da educação. A educação tradicional está a meio caminho para ser substituída por novas técnicas. Só podemos esperar que essas mudanças aumentem e se tornem mais visíveis. Agora, universidades em todo o mundo usam ferramentas universais para ajudar os estudantes e obter uma ideia do progresso deles. Uma das ferramentas maravilhosas utilizadas para este fim é a biometria.

Com o surgimento de algumas das tecnologias mais populares, como relógios inteligentes e Fitbits, podemos observar a presença de dados biométricos em quase todos os lugares. Desde o uso de impressões digitais para desbloquear smartphones até o uso de relógios inteligentes para monitorar a frequência cardíaca, as novas ferramentas são definitivamente uma tendência moderna. Agora vemos mesmo o uso generalizado de biometria nas universidades, com algumas aplicações incríveis para o progresso dos estudantes.

1. Melhorias na segurança.

O uso mais óbvio da biometria é por motivos de segurança. Se você quer saber onde é usada a biometria, esta é a resposta mais frequente que você terá. O objetivo da identificação das impressões digitais é manter as informações seguras. É uma forma muito eficaz de manter seu smartphone seguro, mas também pode ser usado para preservar a segurança dos estudantes nas universidades.

Usando dados biométricos como medidas de segurança, os estudantes podem circular pelo campus sem qualquer risco. Sempre que alguém suspeito entra na universidade, estes scanners podem impedir que eles prejudiquem os estudantes. Com câmeras de segurança, digitais e chips de identificação de radiofrequência, a segurança dos alunos pode melhorar drasticamente.

2. Monitorar a presença de estudantes

Com os dados biométricos, as universidades podem melhorar seus processos administrativos e torná-los mais precisos. Em vez de calcular manualmente informações importantes, como a participação, isso pode ser feito usando um simples scanner de impressões digitais na porta da sala de aula. Isso pode parecer uma pequena mudança, mas no cálculo do tempo médio dedicado ao rastreamento de visitas, isso se traduz em 10 horas de tempo perdido durante um ano.

3. Melhor uso do tempo

Existem várias formas de usar a biometria nas escolas. Assim que as universidades realmente aprenderem como funcionar a biometria, elas poderão encontrar diferentes maneiras de usar a ajuda da biometria. A tecnologia deve ser usada não só para rastrear a participação, mas também para gravar o tempo perdido pelo estudante. Isso deve dizer aos professores onde o aluno pode precisar de mais ajuda e recomendação e fornecer uma ferramenta muito precisa para o ensino personalizado.

4. Rastreamento exato da participação dos estudantes

Existem muitas ferramentas biométricas que podem ser usadas para monitorizar a participação dos alunos e identificar qualquer problema comportamental. Dados obtidos com biodatretes, como câmeras de vigilância e câmeras de infravermelhos, podem ser usados para ver quão bem o aluno interpreta ou usa o material, se ele tem problemas na escola e se é enganado ou não.

A tecnologia percorreu um longo caminho desde o início e, com esta informação nas mãos dos instrutores, há a possibilidade de um treinamento personalizado muito mais avançado e preciso. Esta informação permite que os professores saibam quando os seus alunos precisam de ajuda e com o quê. Isso também vai mostrar aos professores se os alunos estão sobrecarregados ou se estão cansados demais para fazer o seu trabalho na escola. Como você já sabe, a maioria dos estudantes hoje pedem ajuda para o curso no comprartcc porque eles não são capazes de terminar tudo em pouco tempo o professor fornece-lhes.

5. Aumento da integridade acadêmica

Quando se trata de educação, a tecnologia pode ser boa ou má. Há questões como os riscos de segurança cibernética e, claro, o custo das tecnologias modernas necessárias para educar um estudante moderno hoje.

Os scanners biométricos também podem ajudar. Ao certificar o usuário, eles podem impedir que hackers acessem as gravações e criem problemas para avaliar o progresso dos alunos. Isso é especialmente necessário quando se trata de treinamento online, ou seja, onde as webcam vêm realmente confortável.

Conclusão

A biometria está a mudar o mundo à sua maneira e a um ritmo muito rápido. Os benefícios dela podem ser vistos em todas as áreas da vida, incluindo a educação. Quanto mais cedo eles forem introduzidos na educação universitária, mais rapidamente estudantes e instrutores poderão aproveitar os benefícios que ele oferece.


Lugar de mulher é fazendo ciência!

Duas discentes da ECT, uma do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação e outra do curso de Ciências e Tecnologia foram aprovadas no último edital “Mulheres na Ciência e Inovação”. No total foram quase 400 projetos inscritos e apenas 276 aprovados. Cabe destacar que esta edição, por ser online, tornou  possível ampliar as […]

Inscrições para o Mestrado Profissional em Ciência, Tecnologia e Inovação encerram neste sábado

As inscrições para o Mestrado Profissional em Ciência, Tecnologia e Inovação,que tiveram início no dia 15 de agosto, terminam em 18 de setembro, próximo sábado, e devem ser feitas exclusivamente via internet, na página de Processo Seletivo da UFRN Stricto Sensu.  O edital divulgado pela coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação […]

Já pensou em integrar uma pesquisa sobre Comunicação em Rede Neural? O Programa de Pós-graduação em Física está com inscrições abertas!

O exame de seleção será realizado no dia 21 de novembro de 2021 e as inscrições, feitas via PPG-Física ou Plataforma EUF (Exame Unificado de Física), estarão abertas até o dia 10 de outubro de 2021.  As Coordenações dos Programas de Pós-Graduação em Física de quinze instituições, uma delas a da UFRN, irão realizar esse […]