Recursos hídricos como potencializador do turismo no Geoparque Seridó

Escrito por: Francisca Pires | Publicado em: 10 de janeiro de 2022

Altas temperaturas, seca e solos cobertos pela vegetação da Caatinga, são os atributos da região semiárida do nordeste brasileiro que surgem primeiramente no imaginário popular. No entanto, além desse cenário instigador e ainda pouco aproveitado, existe uma paisagem composta por maciços de rochas cristalinas, planícies fluviais, vales e planícies de inundações com extensas áreas de sedimentos aluvionares que, na ausência das águas, o que ocorre na maior parte dos anos, oferece um cenário atraente, instigante e desafiador. No período chuvoso, por sua vez, essa paisagem se transforma e passa a convidar, agora com água, para outras experiências neste tempo limitado. 

É nessa perspectiva que o projeto de extensão intitulado “Os Recursos Hídricos no Desenvolvimento do Geoturismo no Geoparque Seridó”, coordenado pela professora da Escola de Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Vera Lúcia Lopes de Castro, contribuiu para o fortalecimento das ações no Geoparque Seridó, através do compartilhamento do conhecimento sobre os aspectos da paisagem, seja na ausência ou na presença das águas fotogênicas e, assim, estimular a população e as instituições envolvidas a enxergar os elementos hidrológicos como parte da geodiversidade e, consequentemente, como atrativo no campo do geoturismo.

Segundo Vera, a ideia do projeto surgiu da necessidade de caracterizar o potencial dos elementos hidrológicos em agregar valor ao geoturismo, possibilitando um incremento para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Geoparque Seridó. A ação tem um público alvo que compreende a comunidade acadêmica da UFRN, envolvendo docentes da ECT e dos Centros de Ciências Exatas (CCET) – Departamento de Geologia, Centro de Tecnologia (CT) – Engenharia Ambiental; Faculdade de Engenharia, Letras e Ciências Sociais do Seridó – FELCS/UFRN. Os alunos envolvidos são da ECT e da FELCS/UFRN. Além disso, destaca-se a participação das comunidades da região e das demais instituições governamentais e não governamentais municipais e estaduais que estarão envolvidas no processo.

Na primeira fase do projeto serão levantados dados e informações, junto aos órgãos governamentais, que posteriormente serão sistematizados em um banco de dados. O banco de dados estará associado a uma ferramenta de geoprocessamento para integrar e referenciar os geossítios as suas respectivas sub-bacias hidrográficas, que, por sua vez, serão acompanhados dos elementos e valores hidrológicos que interagem com a geodiversidade e com o geo patrimônio, respectivamente. Serão produzidos, portanto, mapas e roteiros com registros fotográficos georreferenciados, considerando os cenários dos períodos chuvosos e secos.

Em um segundo momento, serão realizadas visitas técnicas ao Geoparque Seridó, que, associadas ao levantamento de dados, serão identificadas as relações entre recursos hídricos e o geoturismo. Na sequência das atividades serão identificadas e selecionadas algumas comunidades e escolas para a realização das oficinas, que terão como objetivo a socialização das ações do projeto, assim como a discussão dos conhecimentos alcançados. Durante as oficinas também serão levantadas sugestões para possíveis complementações das informações e dados que farão parte dos mapas e roteiros. A última fase do projeto compreenderá a elaboração de material educativo.

Localizado em uma das áreas mais áridas do mundo, cujas temperaturas podem chegar a 40 graus, é no Geoparque que nasce o rio mais importante do Rio Grande do Norte do ponto de vista histórico, o Rio Potengi, inicialmente chamado de Rio Grande, que originou o nome do estado. Em outro projeto de extensão da UFRN coordenado pelo professor Marcos Nascimento, notou-se que o patrimônio do Geoparque é composto por formações rochosas com dois bilhões de anos e paisagens com relevos de mais de 20 milhões de anos. 

O Geoparque Seriocupa uma área de 2.800 quilômetros quadrados e abrange os municípios de Cerro Corá, Lagoa Nova, Currais Novos, Acari, Carnaúba dos Dantas e Parelhas. Na área estão localizados  21 geossítios, sendo eles:Serra Verde, Cruzeiro de Cerro Corá, Nascente do Rio Potengi, Vale Vulcânico, Mirante de Santa Rita, Tanque dos Poscianos, Lagoa do Santo, Pico do Totoró, Mina Brejuí, Cânions dos Apertados, Açude Gargalheiras, Poço do Arroz, Cruzeiro de Acari, Morro do Cruzeiro, Marmitas do Rio Carnaúba, Serra da Rajada, Monte do Galo, Xiquexique, Cachoeira dos Fundões, Açude Boqueirão e Mirador. Para mais informações sobre o parque, acesse

Serra Verde, Município de Cerro Corá- Geoparque Seridó. 
Foto: Getson Luis. 

Rede Nordeste Aeroespacial divulga processo seletivo para ingresso em 2022 

A Coordenação-geral da Rede Nordeste Aeroespacial, em seus Programas de Pós-Graduação em Engenharia Aeroespacial (PPGEA/UEMA, PPGAERO/UFMA, PPGEA/UFPE e PPGEA/UFRN) das Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), divulgou no fim do mês de dezembro de 2021, o […]

ECT seleciona para Mestrado Profissional em Ciência, Tecnologia e Inovação

O Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação (PPgCTI), vinculado à Escola de Ciências e Tecnologia (ECT/UFRN) está selecionando interessados para o Mestrado Profissional em Ciência, Tecnologia e Inovação para ingresso no período letivo 2022.1. As inscrições podem ser feitas no SIGAA até o dia 27 de janeiro de 2022. Mais informações estão disponíveis no […]