No caminho da inovação, alunos da ECT tem projetos contemplados em programas pelo Brasil

Escrito por: Carllos Daniel | Publicado em: 8 de agosto de 2022

Já imaginou desenvolver um projeto com a possibilidade de ser contemplado com até 13 mil reais por mês? Essa é a realidade do discente do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação (PPgCTI), Jardel Galvão, responsável pelo projeto Nós Juntos – Software de Gestão, aprovado na primeira fase do programa Startup Nordeste, no Piauí, que visa fomentar e capacitar empreendedores de base tecnológica em estágio inicial de negócio em cada estado do Nordeste.

Natural de Teresina e formado em Administração com pós-graduação em Análise de Dados e MBA em Gestão Estratégica de Projetos e Metodologias Ágeis, Jardel desenvolveu um software de gestão voltado para pequenos comerciantes da moda do Piauí, que busca integrar e estimular vendas online em plataformas como WhatsApp, além de coletar dados, gerando informações que agreguem ao negócio da pessoa.

Jardel conta que sempre teve interesse no mercado da moda e foi através das suas experiências que observou a necessidade de criação de um projeto como esse. “Em 2018 tive uma breve experiência no ramo, e nas conexões que vi, percebi que muitos atores tinham dificuldades gerenciais, muito por conta da falta desse conhecimento. E como esse ecossistema do comércio da moda no Piauí é forte, acredito que a iniciativa tenha fundamentos suficientes para alavancar”.

O Startup Nordeste é implementado em cada estado da região, com o objetivo de qualificar essas startups e posicionar o Nordeste no cenário como um dos ecossistemas mais competitivos do mundo. No segmento do Ceará, estado que recebeu mais submissões, outro projeto vem ganhando destaque, “Tera – Despertando sua Melhor Versão” foi desenvolvido pelo também aluno do PPgCTI, Wesley Castro Sabino, e tem como iniciativa um aplicativo gamificado que recompensa o desenvolvimento intelectual dos colaboradores, onde cada “evolução” é recompensada com benefícios virtuais, presenciais, folgas e experiências. Na prática, se o colaborador der uma sugestão de inovação ou melhoria, pode receber uma dessas recompensas.

Segundo Wesley, a ideia de inscrever a Tera no edital veio da necessidade de amadurecer a capitalidade do projeto, aproximando da iniciativa da SEBRAE, que hoje é a maior entidade de apoio aos pequenos empreendedores no Brasil. “Acredito que o edital impacta na validação como solução inovadora para que ela entre na fase de tração e não nas estatísticas de negócios criativos que não conseguem escalar resultados”.

No Rio Grande do Norte, 20 projetos vinculados à Escola de Ciências e Tecnologia (ECT) foram aprovados na primeira fase do programa, agregando na lista de bons frutos provindos da UFRN. “O mais importante é o querer, ter o interesse é essencial para ter a garra para passar da ideação para a execução. Usar e abusar das conexões possíveis dentro da ECT”, finaliza Jardel.