Projeto científico-empreendedor do PPgCTI é selecionado para fase de mentoria do Capital Empreendedor

A startup Faceponto está entre as dez melhores do Norte/Nordeste/Centro-Oeste do programa.

Escrito por: Camila Pinto | Publicado em: 8 de setembro de 2021

Organizado pelo SEBRAE, o Capital Empreendedor selecionou o Faceponto junto com outros nove projetos para a fase de mentoria do programa, que ocorre entre setembro e outubro. Fruto de uma pesquisa científica-empreendedora, a startup foi desenvolvida por Cássio Leandro de Queiroz Rodrigues, mestrando do Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação – PPgCTI, junto com seu amigo e sócio, o professor Aquiles Burlamaqui. 

O programa é uma iniciativa do SEBRAE que tem como objetivo orientar e capacitar startups e projetos inovadores de todo Brasil para o contato com investidores de risco. Em três anos, o Capital Empreendedor já capacitou mais de 500 empresas, totalizando 52,9 milhões em investimentos para 85 empreendimentos participantes. Na edição de 2021 foram oferecidas 250 vagas para projetos de todo o Brasil. A etapa de mentoria é a penúltima do programa. 

Com o sentimento de dever cumprido, Cássio comenta que essa e outras conquistas alcançadas pela startup são o reconhecimento do trabalho desenvolvido pela equipe nesses dois últimos anos, principalmente durante a pandemia. “Mostra que em solo potiguar tem muita tecnologia e inovação e que se fizermos o dever de casa, com muito estudo, dedicação e foco, podemos chegar muito longe. O Faceponto está fazendo história por isso. Porque tem uma equipe excepcional de mestres e doutores e temos um foco muito forte em vendas e expansão. Então esse é mais um passo dos objetivos grandiosos que toda a equipe tem.”

Relembrando

Por meio da formulação de um sistema de gerenciamento e controle de jornada de trabalho, com uso de inteligência artificial que possibilita a incorporação de Business Intelligence no dia a dia, o Faceponto visa o desenvolvimento de ferramentas que facilitem o controle de recursos humanos de uma empresa. Para tal, é feita a coleta de dados triviais desta para gerar relatórios palpáveis em tempo real e, consequentemente, deixar as relações empregado/empregador ainda mais transparentes. Outro objetivo do projeto é o de melhorar a compreensão estratégica do empreendedor, tornando-o mais competitivo no mercado.

Em agosto de 2020, o Faceponto já havia ficado entre os 100 melhores projetos do Programa MCTI SOFTEX, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Já em dezembro, a startup esteve entre os 30 finalistas do Programa Inteligência Artificial/Inovação Aberta (IA²), também do MCTI.